Startups – Conheça as métricas essenciais para acompanhar a saúde do seu negócio

30/05/18
3 min de leitura

Se a mensuração e a análise apurada dos resultados já são importantíssimas para empresas em geral, são ainda mais cruciais para o mercado de startups, afinal, se não houver um acompanhamento e um controle rígido dos números e um constante esforço para melhorá-los, a empresa fica estagnada e nunca chega a decolar.

Porém, é preciso lembrar que as métricas essenciais para as startups nem sempre são as mesmas para as empresas já consolidadas no mercado. Nesse post, vamos contar quais são as métricas que mais contam pontos para acompanhar a saúde de sua startup. 

1-  CAC (Custo de Aquisição de Clientes)

Trata-se da razão entre o valor investido em marketing e o número de clientes adquiridos durante o período avaliado (normalmente mensal). Lembre-se de que, para que seu negócio permaneça saudável, é necessário que o CAC seja sempre menor do que o LTV (lifetime value), ou seja, o quanto a empresa fatura com um cliente ao longo do relacionamento. Caso contrário, os lucros serão inferiores do que os investimentos e sua empresa ficará sem caixa. 

2- Churn Rate (Taxa de clientes perdidos)

Já falamos sobre essa importante métrica aqui no blog. Trata-se da razão entre o total de clientes que cancelaram suas assinaturas e o total de clientes ativos na base. Acompanhar esse indicador é fundamental para descobrir se o seu investimento em vendas não está sendo desperdiçado devido a um número alto de cancelamentos. O ideal é que a taxa de crescimento de sua startup seja superior ao Churn Rate.  

3- Break even point (ponto de equilíbrio) 

Trata-se do volume de vendas necessário para pagar todos os custos da empresa, sejam eles fixos ou variáveis, sem gerar lucro. Essa métrica é importante porque permite calcular o quão longe a startup está de finalmente começar a ter lucro. 

4- Burn Rate (taxa de “queima de dinheiro”)

Trata-se da métrica que mensura a velocidade em que as reservas de caixa são consumidas em decorrência dos gastos e investimentos realizados em um período determinado, normalmente semestral. Ela é calculada dividindo o total do ativo circulante do primeiro semestre pelo total do ativo circulante do segundo.  Uma boa maneira de acompanhar o Burn Rate é analisá-lo em conjunto com a margem de segurança, ou seja, o valor que faltou para que a empresa atingisse o Break Even. Essa é uma das melhores formas de antecipar se, nos semestres subsequentes, haverá dinheiro suficiente em caixa para cobrir os custos operacionais e os investimentos necessários, ou se será necessário levantar mais capital. 

5- Transações Gross Merchandise Value ou GMV

Trata-se da métrica capaz de mensurar a quantidade de transações ocorridas em um período determinado dentro da plataforma, e é importantíssima para mostrar exatamente quanto a startup movimenta em números. 

6- Meses de dinheiro restantes

Essa é a métrica capaz de fornecer a quantidade de meses de sobrevivência financeira a startup tem pela frente. Tal qual o Burn Rate, esse é um indicador que serve para evitar que a empresa fique totalmente descapitalizada, afinal, é possível prever a escassez de recursos com antecedência e, assim, ir atrás de investimentos ou de estratégias que tragam mais vendas. 

Para chegar a esse número, é só dividir o valor do capital da empresa pela taxa de Burn Rate: o resultado é o número de meses restantes. 

Existem, ainda, algumas outras métricas importantes para startups, mas isso é assunto para posts futuros. E você, já está utilizando métricas em seu negócio para otimizar suas análises?