Fim do boleto sem registro – Tudo certo com a sua empresa?

15/06/18
3 min de leitura

O consumidor brasileiro tem um claro apreço pelo pagamento feito via boleto bancário. Segundo pesquisa feita pela E-commerce Brasil em parceria com o SEBRAE, 75% dos consumidores optam por pagar suas compras através do boleto bancário, por causa das baixas taxas envolvidas nessa modalidade de pagamento. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), mais de 3 bilhões de boletos são emitidos anualmente aqui no Brasil. 

Por conta dessa popularidade, a maioria dos empreendedores e varejistas oferecem o boleto bancário dentre as formas de pagamento aceitas em seus negócios. Em 2017, contudo, aconteceu uma mudança significativa para quem trabalha com boletos bancários como forma de pagamento: uma decisão oficial do setor bancário extinguiu a possibilidade de se emitirem boletos de cobrança sem registro. Desde, então, as alterações começaram a ser implantadas pouco a pouco, e só agora, em 2018, elas passarão a valer para cobranças iguais ou maiores que R$800,00.

Essa notícia impactou profundamente os prestadores de serviços e lojistas que costumavam utilizar boletos como modalidade de cobrança, e trouxe com ela muitas dúvidas e incertezas. Para ajudar a esclarecer o assunto definitivamente, decidimos fazer essa postagem com tudo o que você precisa saber sobre o fim do boleto sem registro.

Qual a diferença, afinal, entre o boleto com registro e o boleto sem registro?

A principal diferença é que o boleto com registro, como o nome já sugere, precisa ser registrado no sistema bancário, enquanto o boleto sem registro não tem essa demanda. Com o registro no sistema, o banco consegue ter acesso a todas as informações sobre a cobrança. O boleto registrado traz todos os dados que, na cobrança simples e sem registro, eram opcionais, como a identificação do sacado e o CPF, ou CNPJ do cliente. 

Ao contrário do que acontece com o boleto sem registro, para que o lojista consiga alterar qualquer dado, tal como a data do vencimento, ou até mesmo cancelar o boleto, é necessário o envio de um arquivo de remessa ao banco, contendo as informações sobre a transação, o que torna o processo mais seguro. Outra vantagem é que o boleto com registro proporciona maior controle sobre as faturas emitidas, afinal, com o modelo registrado, é muito mais simples para a empresa investigar se o cliente pagou o boleto e quando foi realizado o pagamento. 

Por que a Febraban decidiu acabar com o boleto sem registro?

Um dos principais motivos para o fim do boleto sem registro e a criação da Nova Plataforma de Pagamentos foi o alto número de fraudes em torno dos boletos bancários, afinal, com o registro, ficará muito mais difícil fraudar o sistema.  

 Além disso, o formato que antes era utilizado para fazer cobranças bancárias começou a funcionar na década de 90, quando o código de barras começou a fazer parte dos documentos de cobrança, e o pagamento passou a ser interbancário. Desde então, nunca tinha havido mudanças significativas, e a Febraban enxergou a necessidade de modernizar esse sistema de cobranças. 

Quais são as datas oficiais para adequação?

Segundo o calendário oficial da Febraban, as datas de encerramento para a emissão de boletos sem registro, separadas por faixa de valor, são as seguintes:

– A partir de 1 de setembro/2018 – R$ 200,00 ou mais
– A partir de 22 de setembro/2018 – R$ 100,00 ou mais
– A partir de 06 de outubro/2018 – R$ 50,00 ou mais
– A partir de 20 de outubro/2018 – R$ 0,01 ou mais
– Em 03 de novembro/2018 – o processo será concluído, com a inclusão dos boletos de cartão de crédito e de doações, entre outros.

O que a sua empresa deve fazer para se adequar? 

As empresas que desejarem continuar emitindo boletos precisarão se planejar para se adequar às novas normas.  Para aquelas que já utilizam um sistema de gestão de cobranças automáticas, como o Cobrato, a transição será bem mais simples: na prática, não haverá alterações na rotina da companhia, uma vez que a ferramenta trabalha de maneira integrada às instituições financeiras.

O registro será realizado automaticamente pelo software, e o arquivo de remessa será transmitido para o banco com todos os dados necessários, também de modo automático, sem envolver nenhum esforço da parte do gestor. 

Com o Cobrato, será muito mais simples automatizar a emissão de boletos sem nenhuma dor de cabeça para a sua equipe. Quer conhecer a ferramenta? Clique aqui e experimente por 7 dias grátis!