Dicas para reduzir a inadimplência na sua empresa

27/12/18
5 min de leitura

A inadimplência é a falta de pagamento no prazo, e é um dos principais desafios a ser contornado pelas empresas. É muito importante manter a taxa de inadimplência baixa, sobretudo para empresas de assinaturas recorrentes, já que ela pode ser um sinal de churn, ou cancelamento do serviço. Nesse post, inclusive, já mostramos como lidar com a inadimplência dos clientes. 

Mas como fazer para reduzir a taxa de inadimplência, afinal? Para descobrir, é só continuar lendo! 

O risco de uma alta taxa de inadimplência

Ter uma taxa alta de inadimplência em seu negócio é péssimo, pois a falta de pagamento breca a entrada de dinheiro em caixa para pagar fornecedores, comprar matéria-prima, pagar os salários e repor o estoque. 

A inadimplência também atrasa ou elimina o capital de giro, ou seja, o valor que financia o funcionamento da empresa. Assim, a operação se torna mais instável e cara, e o pior de tudo é que o prejuízo pode nunca ser superado! Ou seja, é uma situação caótica que deve ser evitada a qualquer custo. 

Os efeitos da inadimplência em negócios recorrentes

Quando se trata de negócios recorrentes, o problema pode ser ainda mais sério. Há várias despesas, também recorrentes, para manter o serviço em pleno funcionamento, e é impossível aprimorar os processos sem o pagamento pelo serviço. 

O pagamento recorrente é a base do crescimento de um negócio baseado em assinatura, como os SaaS. Por esse motivo, é preciso evitar ao máximo que a inadimplência alcance níveis muitos elevados e prejudique o fluxo de caixa.

Além disso, uma inadimplência duradoura também pode ser um grande indicador de futuro churn. Portanto, é preciso ficar atento desde os primeiros sinais. 

Dicas para diminuir a taxa de inadimplência

Mantenha as finanças em ordem

Com as contas da empresa organizadas, é muito mais simples analisar o cenário financeiro, perceber as falhas antes que os problemas aconteçam e se preparar para a inadimplência.

É claro que não há como adivinhar se o cliente vai ou não pagar em dia, mas é função da empresa ter uma estratégia bem definida para contornar essa situação. Por exemplo, é preciso compreender a fundo o cliente, ter um cadastro detalhado e analisar a capacidade de pagamento antes de fechar negócios. 

Ao considerar a possibilidade de tomar um calote, o gestor consegue se antecipar a isso e ter um plano de emergência para que o prejuízo não acabe arruinando a empresa. Basta manter a gestão financeira em dia que não faltará dinheiro no caixa, mesmo no caso de atraso ou falta de pagamento. 

Faça a conciliação bancária

É muito importante realizar a conferência do extrato para que você tenha plena consciência do seu negócio diariamente. E não se pode falar disso sem falar sobre a conciliação bancária, o processo de comparar a movimentação e saldo internos do caixa com o fluxo registrado na conta da empresa. 

Ela é importante porque permite identificar rapidamente as divergências e agir em seguida para evitar maiores prejuízos, afinal, quanto mais tempo a empresa levar para identificar a falta de pagamento, mais tempo levará também para reaver o dinheiro. 

É possível, inclusive, cobrar o cliente inadimplente de forma amigável, afinal, ele pode ter apenas se esquecido de pagar. Nesse caso, eles só precisam ser lembrados para o débito ser quitado. Quanto mais cedo abordar o cliente devedor, mais fácil será contornar a solução. Por isso, não negligencie a conferência dos extratos bancários. 

A boa notícia é que a conciliação bancária é um processo que pode ser feito de forma automática, com um software de gestão de faturamentos como o Billimatic, que torna esse fluxo mais produtivo. 

Tenha um sistema de cobranças eficiente

Contar com um sistema de cobrança eficaz, além de tornar os processos mais ágeis e produtivos, também dá possibilidades melhores aos clientes, ao priorizar os bons pagadores. 

Nesse sentido, é fundamental ter uma régua de cobrança, uma estratégia que ajuda a elaborar as ações para cada faixa de “idade” do título vencido. Por exemplo, você pode estipular uma quantidade de e-mails/telefonemas de lembrete, em que quanto mais atrasado estiver o pagamento, mais intensa será a mensagem. Se você trabalha com serviços de assinaturas, pode ser interessante também suspender ou limitar o acesso em caso de inadimplência (e avisar o cliente de forma clara sobre isso) como forma de apressar o pagamento. 

É claro que a estratégia deve variar de acordo com o cliente e com as razões para a falta de pagamento mas, em geral, deve-se seguir um passo a passo como este: primeiro, faça um contato inicial amigável para lembrar o cliente sobre a dívida. Depois, tente fazer um acordo e somente em último caso levar às vias judiciais quando nada mais tiver dado resultado. 

Esteja aberto para negociar

Levar o caso à Justiça leva tempo, dinheiro e envolve muita burocracia. Por isso, o melhor caminho costuma ser negociar com o cliente, ouvir uma proposta e chegar a um acordo. Às vezes, é melhor parcelar a dívida, dar um prazo maior para a quitação ou mesmo optar por receber um valor inferior ao devido do que ficar totalmente no prejuízo. 

Lembre-se: quando o gestor tem suas finanças organizadas, ele conhece os limites da empresa e sabe até que ponto pode ir na negociação.

Conte com um software de gestão financeira

A tecnologia é uma importante aliada na gestão financeira, e a inadimplência de clientes não fica de fora. Usar um software de faturamento e controle de inadimplência como o Billimatic ajuda a automatizar avisos de pagamento e mensagens de cobrança, e também a calcular valores de juros e multa. Por isso, ele é indispensável para facilitar a gestão de faturamentos e tornar mais prática a vida do gestor e a do cliente, pois garante que os prazos de vencimento sejam cumpridos.

Quer saber mais? Clique aqui e conheça todas as funcionalidades do Billimatic