CNAB: o que é, para que serve e quais os tipos?

15 de setembro de 2017, às 13:35

Todas as operações bancárias realizadas por meio digital seriam impossíveis de acontecer sem a ajuda das novas tecnologias. Uma delas é CNAB, que provém os recursos e ferramentas necessários para a implementação e controle das funções de remessa (envio) e retorno (recebido) de forma automatizada e mais inteligente.

Como o volume de transações aumentando a cada dia, seria quase impossível monitorar quais clientes estão em dia e quais estão em atraso de forma manual. Por isso, essa tecnologia é indispensável na realização de cobranças.

Ficou interessado? Descubra agora o que é CNAB e por que ele é tão importante para a sua empresa!

O que é CNAB?

A sigla CNAB é a abreviação para “Centro Nacional de Automação Bancária” e representa um software capaz de fornecer uma interface para a troca de informações online e padronizada entre clientes, empresas e bancos.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) é o órgão responsável pelo controle e estabelecimento dos padrões desejados do CNAB utilizado pelo sistema bancário. Nele, o formato de texto e colunas, por exemplo, fica bem especificado para facilitar a leitura das informações por todas as partes envolvidas no processo.

Como funciona o CNAB?

O processo é mais simples do que se imagina. Primeiro a empresa acessa o site do banco. Depois solicita a emissão dos boletos por meio de um arquivo remessa. Por fim, o banco envia os boletos emitidos aos clientes correspondentes.

Mas o processo não acaba no envio. Com o pagamento do cliente, a compensação do boleto é efetivada no sistema. Chamamos isso de arquivo retorno. Essas informações podem ser consultadas diariamente pelas empresas a fim de se certificarem dos pagamentos e processarem a baixa dos boletos diretamente em seus softwares financeiros.

Todo o processo acontece de forma digital e integrada, automatizando uma série de operações financeiras no sistema.

Para que serve o CNAB?

O principal objetivo do CNAB é tornar a emissão e baixa de boletos bancários digital, eliminando a necessidade de preenchimento de dados manualmente. Além disso, ele reduz o índice de informações errôneas nos boletos, o que ajuda as empresas a economizarem um bom tempo com retrabalho.

Também permite que as empresas mantenham um banco de dados sempre atualizado, por meio da consulta diária que pode ser feita para a constatação de baixa dos boletos emitidos.

Quais são os tipos de CNAB?

Atualmente, são utilizados 2 tipos de CNAB pelo sistema bancário: o CNAB 400 e o CNAB 240. Ambos contribuem para a criação de um formato padrão nas funções de envio e recebimento das informações digitais. Conheça agora um pouco mais sobre cada um deles:

CNAB 400

Geralmente utilizado para arquivos com menor quantidade de informações e limitados a 400 posições por registro. Atende bem às necessidades de carteiras mais simples e da carteira garantida, fornecendo serviços de protesto e o envio de títulos via correios, mas não inclui o serviço de banco correspondente (lotérica e outros de instituições autorizadas pelo Banco Central).

CNAB 240

Nesse modelo de CNAB, os arquivos digitais trabalham com um número maior de informações. Para manter a organização, os dados são agrupados em 4 diferentes segmentos com 240 posições para cada título dentro de um mesmo arquivo.

Aqui, carteiras de cobrança simples e garantida também são bem atendidas e os serviços de banco correspondente estão inclusos, bem como o de postagem de títulos pelos correios. Além disso, serviços de agendamento de pagamento de contas, custódia de cheques e protesto podem ser utilizados.

É bom lembrar que o CNAB não é um serviço exclusivo aos bancos e qualquer empresa pode adotá-lo em seu sistema financeiro. O resultado é a otimização das operações de cobrança e pagamento de contas.

E você, já usa o CNAB na sua empresa? Conta para a gente nos comentários!

Curtiu esse conteúdo?

Compartilhe nas redes sociais. ;)

E assine nossa newsletter para receber muito mais conteúdo direto no seu e-mail.